ARAC
16 Julho 2019 | 12:26
Notícias
2019-07-15Smart Cities para pessoas inteligentes
As vilas e cidades tendem a evoluir para um uso inteligente, adoptando modelos de organização resultantes da combinação de tecnologias de informação, de comunicação, de automação, na implantação de sistemas de sinais de trânsito inteligentes, controle de disponibilidade em parques de estacionamento, iluminação pública, wi-fi nas praças e ruas, contadores de água que emitem avisos em caso de anormalidade de consumos e de avarias, bicicletas eléctricas partilhadas, transporte a pedido, e um sem-número de aplicações e automatismos.+
2019-07-15Voo atrasado ou cancelado? Como e quando reclamar
2019-07-15Vendas do grupo PSA caíram quase 13% no primeiro semestre
O grupo francês PSA vendeu no primeiro semestre 1.903.370 automóveis em todo o mundo, uma queda de 12,76% em relação ao mesmo período de 2018.+

Notícias



FMI: Europa avança mais devagar e enfrenta mais riscos
Jornal de Negocios


Bruxelas e o FMI estão alinhados: a economia europeia continua a crescer, mas a um ritmo cada vez mais lento e abaixo do previsto. Além disso, os riscos no horizonte estão cada vez mais intensos. Este foi o alerta que o Fundo Monetário Internacional deixou no Regional Economic Outlook sobre a Europa, publicado esta quinta-feira, 8 de Novembro. Uma hora antes, a Comissão Europeia tinha revisto em ligeira baixa o crescimento no horizonte até 2020, e avisado que a realidade se pode revelar "significativamente pior do que o previsto".

"Os riscos para o cenário macroeconómico aumentaram. No curto prazo, tensões comerciais crescentes e um aperto abrupto nas condições financeiras globais podem comprometer o investimento e pesar no crescimento", explica o FMI. "No médio prazo, os riscos resultam do atraso do ajustamento orçamental e das reformas estruturais, dos desafios demográficos, da desigualdade crescente e da redução da confiança nas políticas convencionais", soma ainda a instituição liderada por Christine Lagarde. Além disso, "um Brexit sem acordo conduziria a fortes barreiras comerciais, e não comerciais, entre o Reino Unido e o resto da União Europeia, com consequências negativas para o crescimento", lê-se no relatório.

Perante este enquadramento, o FMI reforça o apelo aos países para acelerarem as reformas estruturais e aumentarem as suas almofadas orçamentais, nomeadamente as economias com dívidas públicas mais elevadas. Do mesmo modo, o FMI argumenta que políticas macroprudenciais direccionadas tanto para o lado dos compradores, como dos bancos que financiam a compra, ajudam a conter os riscos no mercado financeiro, nomeadamente resultantes do aumento do crédito e da subida dos preços da habitação.

Contudo, este tipo de intervenção no mercado não se tem revelado tão eficaz no objectivo de subir os preços das casas e o recurso ao crédito em geral.

Também Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, tinha avisado durante esta manhã, na apresentação das Previsões de Outono para a União Europeia, que os países se devem preparar. "Há muitos riscos. É muito importante que os políticos tanto aqui em Bruxelas, como a nível nacional,se preparem para lidar com o que quer que o futuro nos traga," disse o Comissário.




Área Reservada
Como constituir uma empresa de Rent-a-Car
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com