ARAC
21 Julho 2018 | 16:45
Notícias
2018-07-20Governo e patrões em choque frontal na linha da Beira Alta
CIP emitiu ontem um comunicado crítico face aos investimentos do Governo para a rede ferroviária nacional. Em entrevista, o presidente do Conselho da Indústria da CIP, Luís Mira Amaral acusa o Executivo de estar a fazer remendos em linhas velhas.+
2018-07-20Mais de 400 mil condutores apanhados pelos 30 radares do Sistema Nacional de Controlo de Velocidade
Um sistema para deteção automática da infração de excesso de velocidade, composto por 30 radares móveis instalados em 50 locais considerados críticos, apanhou 400 mil condutores em 11 meses.+
2018-07-20A estranha história da taxa turística no aeroporto que existe desde 2015 e nunca foi cobrada
A taxa turística no aeroporto aparece em todos os regulamentos da Lisboa desde 2015. A ANA pagou-a uma vez porque "estava entre a espada e a parede". Acaba no outono sem nunca ter sido cobrada.+

Notícias



Mais de 80% das casas em Portugal vendidas em menos de seis meses
EXPRESSO SAPO


Mais de 80% das casas em Portugal foram vendidas em menos de seis meses, com cerca de 55,6% das transações até 175.000 euros, segundo dados da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), esta segunda-feira divulgados.

De acordo com o barómetro da APEMIP, relativo a dezembro de 2017, "o sector imobiliário português vive um dinamismo que há muito não se verificava, sobretudo no que diz respeito ao segmento habitacional".

"É absolutamente fabuloso assistir a esta dinâmica, sobretudo quando comparada com aquela que existia há cerca de dois/três anos, em que os ativos em carteira levavam até dois anos a ser transacionados", afirmou, em comunicado, o presidente da APEMIP, Luís Lima, considerando que a "rapidez" agora registada, com mais de 80% dos imóveis a serem transacionados em menos de seis meses, confirma o bom momento do mercado imobiliário.

Os dados do barómetro da APEMIP revelam ainda que "cerca de 55,6% das vendas foi de imóveis de preço até 175.000 euros", valores que para o representante das empresas de mediação imobiliária "espelham o grosso das vendas feitas no mercado doméstico".

Em relação às tipologias mais vendidas, cerca de 61% foi de T1 e T2, seguindo-se T3 com 31% das transações efetuadas, segundo os dados do barómetro imobiliário.

"Este é um bom indicador daquilo que é o grosso da procura das famílias, informação que pode e deve ser tida em conta logo que haja o desejado regresso à construção nova", defendeu o presidente da APEMIP, advogando que o grande desafio do setor em Portugal é "a ausência de 'stock' imobiliário nas cidades, que é o principal fator para o acentuo de preços que se tem verificado no mercado".

Na perspetiva de Luís Lima, o regresso à construção nova começa a ser "inevitável", "caso contrário, os problemas habitacionais acentuar-se-ão ainda mais", já que a oferta é cada vez menor e não dá resposta às necessidades da procura.

"Ao construirmos novo, estaremos a criar vantagens para as famílias, que encontrarão no mercado ativos à medida das suas possibilidades, para as imobiliárias, que terão mais produto para comercializar e para suprir as necessidades dos seus clientes, para a banca, que garantirá dividendos por via do financiamento ao investimento e por via do crédito à habitação, para as construtoras, que voltarão ao ativo criando mais emprego, e para o próprio mercado imobiliário que tem necessidade de aliviar os preços e de dar resposta às necessidades habitacionais", declarou o representante da APEMIP.

Desenvolvido mensalmente, o barómetro imobiliário da APEMIP tem como fonte um inquérito levado a cabo junto das empresas imobiliárias e o cruzamento com dados de entidades públicas e privadas.



Área Reservada
Como constituir uma empresa
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com