ARAC
09 Agosto 2020 | 21:57
Notícias
2020-08-07Portugal de novo em contramão na pandemia, agora no bom sentido
Depois dos elogios, chegado o desconfinamento, Portugal tornou-se o “patinho feio” da Europa, com muito mais casos do que a maioria dos países europeus. Agora, o país volta a estar em contraciclo, com uma clara tendência de descida dos contágios.+
2020-08-07Salários nas empresas sem lay-off com maior crescimento em cinco anos
o meio da pandemia, quem não teve contrato suspenso ou perdeu emprego regista o maior ganho de rendimentos desde 2015. Foi, em junho, de 5,5%.+
2020-08-07EY: Segunda vaga de covid-19 pode levar taxa de desemprego para os 17,6%
A consultora EY estima que, caso haja uma segunda vaga da pandemia de covid-19 em Portugal, a taxa de desemprego no país possa atingir os 17,6% no final do ano, segundo um estudo hoje divulgado.+

Notícias



As linhas de crédito já disponíveis e as que ainda estão por lançar
Jornal de Negócios


Primeira linha quase esgotada
A primeira linha a ser lançada, a Capitalizar 2018 Covid-19, destina-se a empresas de qualquer setor. Começou por ser lançada com 100 milhões de euros e acabou por ficar com uma dotação de 400 milhões. Com "spreads" que ultrapassam os 3% e prazos de pagamento até quatro anos, já está praticamente esgotada. Até ao final da semana passada, tinham sido aprovadas 817 operações, num valor total de 365 milhões de euros.

Turismo tem 60 milhões em microcrédito
A linha de microcrédito de 60 milhões de euros destina-se a microempresas de turismo que não estejam em situação de dificuldade anterior a esta crise. Com prazo máximo de três anos e sem juros, o financiamento máximo é de 750 euros mensais por cada trabalhador existente a 29 de fevereiro, multiplicado pelo período de três meses, até 20 mil euros. Até ao final de março, o Turismo de Portugal tinha recebido mais de 2.000 candidaturas e concedeu 3,7 milhões em apoios. António Condé Pinto, presidente da APHORT, diz ao Negócios que há uma "grande adesão" a esta linha e que as respostas do Turismo de Portugal "estão a ser bastante rápidas".

3 mil milhões para três setores
As quatro principais linhas de crédito contam com 3 mil milhões de euros. 1.300 milhões destinam-se à indústria, incluindo têxtil, vestuário, calçado e fileira da madeira; 900 milhões são dirigidos aos empreendimentos turísticos; há 200 milhões para as agências de viagens e empresas de animação turística; por fim, as empresas de restauração têm disponíveis 600 milhões de euros. Em cada uma destas linhas, o montante máximo de financiamento é de 1,5 milhões para médias empresas, 500 mil para pequenas e 50 mil para microempresas, sendo que o montante não pode exceder 25% das receitas nem o dobro da massa salarial anual. O prazo máximo de cada operação será de quatro anos e o "spread" máximo é de 1,5%, sendo esta taxa variável consoante a maturidade do empréstimo.

Governo vai lançar mais 7 mil milhões
O Governo vai lançar novas linhas, no valor de 7 mil milhões de euros, para abranger setores ainda não incluídos nas linhas já disponíveis. Comércio e serviços, bem como a metalomecânica e metalurgia, são alguns dos setores que passarão a poder aceder a estas linhas, cujo lançamento já foi aprovado pela Comissão Europeia. Ainda não há uma data para que estas novas linhas passem a estar disponíveis para serem subscritas junto dos bancos aderentes.

PSD pede linhas no total de 10 mil milhões
Já depois de o Governo ter anunciado que serão lançadas novas linhas de 7 mil milhões de euros, o líder do PSD, Rui Rio, veio defender que o valor total das linhas de crédito deverá ser alargado para 10 mil milhões - será este, precisamente, o montante final disponível, quando forem lançadas as novas linhas. Rui Rio pede, ainda, que as linhas sejam alargadas a empresários em nome individual.


Área Reservada
PEÇA AQUI O SEU SELO "CLEAN & SAFE"
EMPRESAS JÁ DETENTORAS DO SELO "CLEAN & SAFE"
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com