ARAC
19 Janeiro 2020 | 16:27
Notícias
2020-01-15Cartão bancário contactless irá funcionar como título de transporte no Metro e eléctricos do Porto
Solução ecológica arranca em abril na linha de Metro do Aeroporto e nos carros elétricos da STCP. Após fase-piloto, o sistema inédito em Portugal será alargado a toda a rede Andante do Porto, cidade que se coloca na linha da frente desta funcionalidade inovadora já existente em Londres, Nova Iorque, Singapura ou Rio de Janeiro+
2020-01-15E-fatura parado por “motivos de ordem técnica”
Não é possível consultar as faturas registadas no Portal das Finanças numa altura em muitos contribuintes começam a verificar se está tudo correto para submeterem o IRS de 2019+
2020-01-15Solução de mobilidade do Europcar Mobility Group regista crescimento
No final de 2019 as Unidade de Negócios de Mobilidade do Europcar Mobility Group registou forte crescimento, impulsionado pelos resultados atingidos pela operadora de car-sharing Ubeeqo, com um elevado nível de actividade em Paris em Dezembro.+

Notícias



Notários pedem isenção de IVA nos inventários em heranças e divórcios
JORNAL DE NEGÓCIOS


Os cartórios notariais são obrigados a liquidar IVA à taxa de 23% nos processos de inventário. Ordem alerta para o que considera ser uma penalização para os cidadãos, “como se o acesso à Justiça fosse um qualquer bem de consumo”.

nova lei do processo de inventário, que entrou em vigor no início de 2020, obriga os notários a continuarem a cobrar 23% de IVA na tramitação destes processos, enquanto nas custas judiciais dos Tribunais não há aplicação daquele imposto. O alerta vem da Ordem dos Notários, que, no âmbito da discussão em curso da proposta de Orçamento do Estado para 2020, vem pedir a revisão desta regras legais em causa.

Na prática, considera a Ordem em comunicado, os cidadãos "são assim obrigados a pagar os custos de processos de Inventário por divórcio ou herança acrescidos de IVA a uma taxa de 23% como se o acesso à Justiça fosse um qualquer bem de consumo".

Jorge Batista da Silva, o bastonário desta ordem profissional, sublinha que "num Estado de Direito, o acesso à justiça não deve ser taxado como um bem de luxo e tal deve ser corrigido imediatamente". A ON já contactou os vários grupos parlamentares pedindo que avancem com propostas de alteração ao OE, no sentido de passarem a isentar de IVA "os atos praticados não só nos âmbito dos processos de inventário mas também em testamentos, habilitações de herdeiros, procurações irrevogáveis e partilhas extrajudiciais, por serem serviços essenciais para os cidadãos".

A Ordem dos Notários propõe, por outro lado, que seja aplicada a taxa reduzida de IVA aos restantes serviços prestados por Notários, "considerando o interesse público dos mesmos".

"Já existem atos jurídicos de interesse público que beneficiam dessa taxa reduzida e que alargar esse benefício a todos os processos de interesse público é da mais elementar justiça para com os cidadãos que precisam desses serviços públicos prestados pelos notários", remata Jorge Batista da Silva.




Área Reservada
Como constituir uma empresa de Rent-a-Car
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com