ARAC
20 Fevereiro 2020 | 11:09
Notícias
2020-02-19O que é que os analistas veem na Tesla? Ações disparam mais de 100% em 2020
Só esta semana, cinco casas de investimento reforçaram a sua cobertura da fabricante de veículos elétricos norte-americana. Todas elas aumentaram o preço-alvo da cotada. Este ano ganhou 105% em bolsa.+
2020-02-19Mais de 450 mil passageiros não virão a Portugal este Verão, diz ministro
Para o ministro das Infraestruturas, se a TAP vai ter de cancelar 1.500 voos este verão por falta de slots em Lisboa "é porque fez mal o seu trabalho". Pedro Nuno Santos avisa que o país já está a pagar caro o adiar de decisões sobre novo aeroporto.+
2020-02-19TURISMO DE PORTUGAL E HEALTH CLUSTER CRIAM PROJETO DE SERVIÇOS MÉDICOS PARA TURISTAS BRITÂNICOS
No âmbito da campanha #Brelcome – Portugal Will Never Leave You, +

Notícias



Microsoft: “Tecnologia também se pode tornar uma arma”
JORNAL DE NEGÓCIOS


"Estamos na era da ansiedade". Brad Smith tem essa certeza como também tem a certeza que é preciso que a tecnologia não deixe as pessoas para trás.

No Web Summit falou das mudanças grandes que estão a acontecer e deixou o alerta sobre o que diz poder ser uma arma. Há ferramentas que se podem tornar armas.

Há vários avanços na próxima década a ter em conta: a integração da computação clássica com a quântica; o 5G tornar-se no 6G e estar em todo o lado como eletricidade, sem que tenhamos noção; a inteligência artificial tornar-se inteligência artificial geral. O que encerra, diz, "oportunidades e desafios".

Para Brad Smith não há dúvidas. "Vivemos na era ansiedade", pelo que é preciso fazer avançar a tecnologia para "preservar valores como direitos humanos e ter anoção dos problemas. A tecnologia é um ativo essencial para o mundo mas também se pode tornar uma arma". E "quanto mais poderosa a ferramenta mais eficaz", concluiu.

O responsável da Microsoft compara o papel da inteligência artificial ao motor de combustão que mudou toda a economia há três décadas. "Cabe-nos a nós pensar o que isto significa e no impacto na sociedade e refletir num facto fundamental, as questões são tão velhas como a tecnologia".

Lembrou vários filmes em que as Máquinas tomam decisões por si. "E o público começou a pensar que isso era a inteligência artificial. Mas a questão não é perguntar o que as máquinas podem fazer, mas o que deviam fazer". Os erros serão pagos pelas gerações futuras. Por isso clama por uma inteligência artificial ética e responsável. É preciso, diz, uma nova abordagem para endereçar o que tecnologia está a criar para a sociedade. "Temos de subir a fasquia para proteger contra abusos e trabalhar com os governos e pressioná-los para que se movam mais rapidamente".

Para o responsável, a tecnologia servirá melhor se puser o interesse público à frente. E se isso acontecer o lucro chegará, acredita, dizendo que a privacidade é um direito fundamental numa era em que tudo é digital, assim como o acesso universal à tecnologia. "Não podemos deixar as pessoas para trás", rematou.




Área Reservada
Como constituir uma empresa de Rent-a-Car
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com