ARAC
16 Julho 2019 | 12:27
Notícias
2019-07-15Smart Cities para pessoas inteligentes
As vilas e cidades tendem a evoluir para um uso inteligente, adoptando modelos de organização resultantes da combinação de tecnologias de informação, de comunicação, de automação, na implantação de sistemas de sinais de trânsito inteligentes, controle de disponibilidade em parques de estacionamento, iluminação pública, wi-fi nas praças e ruas, contadores de água que emitem avisos em caso de anormalidade de consumos e de avarias, bicicletas eléctricas partilhadas, transporte a pedido, e um sem-número de aplicações e automatismos.+
2019-07-15Voo atrasado ou cancelado? Como e quando reclamar
2019-07-15Vendas do grupo PSA caíram quase 13% no primeiro semestre
O grupo francês PSA vendeu no primeiro semestre 1.903.370 automóveis em todo o mundo, uma queda de 12,76% em relação ao mesmo período de 2018.+

Notícias



Fisco vai receber menos dados das empresas. Falta saber quais
JORNAL DE NEGÓCIOS


As empresas vão continuar a ter de enviar para a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) o ficheiro SAF-T, com a sua informação contabilística, mas uma parte desses dados seguirão encriptados e o Fisco não terá acesso a eles. Esta medida foi aprovada no Parlamento na semana passada e é a resposta às preocupações das empresas sobre o nível de informação que, a partir do próximo ano, o Fisco iria receber de forma automática.

Para já, contudo, falta saber quais os dados que ficarão escondidos dos olhares da AT. "Ficou definido um princípio na lei, que é o de que não serão [disponibilizados] todos os dados, de acordo com um critério de proporcionalidade. E esse principio vincula o Governo", explica Fernando Rocha Andrade, deputado do PS. A ideia é que o Executivo tenha agora de definir quais os campos do ficheiro SAF-T que seguirão encriptados para o Fisco, devendo fazê-lo por decreto-lei para, se assim o entender, o Parlamento possa pedir uma apreciação parlamentar e fazer as alterações que considere necessárias.
O ficheiro SAF-T vai ter de ser enviado pelas empresas a partir do próximo ano e servirá para o Fisco passar a pré-preencher uma parte significativa da Informação Empresarial Simplificada (IES). Esta medida de simplificação provocou alertas, por parte da Ordem dos Contabilistas, com a bastonária, Paula Franco, a avisar: "Está lá tudo registado, pagamentos, altura dos pagamentos, trabalhadores, margens de negócios… É muito preocupante do ponto de vista das empresas." Em outubro do ano passado, em entrevista ao negócios, a diretora-geral da AT, Helena Borges, reconhecia que, efetivamente, a nova IES passaria a dar ao Fisco "uma dose de informação brutal".

O "big brother fiscal", como acabaria por ficar conhecido, chegou ao Parlamento com uma proposta do PCP no sentido de eliminar o ficheiro SAF-T. Entretanto também o PSD se mostrou recetivo a mudar a lei e o PCP acabaria por propor uma solução menos definitiva, que era a de, em vez do SAF-T, ser enviado apenas um ficheiro dele extraído, com os dados necessários ao pré-preenchimento da IES. Acabaria por vingar uma proposta do PSD, que, como explica o deputado Duarte Alves, do PCP, "ainda assim é um avanço" e que, ao ser votada por unanimidade, "confirma que as preocupações do PCP eram justas e que se estava a ir longe demais".


Governo aprova alteração
"Estamos tranquilíssimos e muito satisfeitos com a solução final de não deitar por terra o que temos estado a fazer", afirmou ao Negócios o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. O governante tinha estado no Parlamento onde pedira aos deputados que não deitassem fora o investimento feito pela AT e admitira correções à lei.

Paula Franco, bastonária da Ordem dos Contabilistas, também elogia a solução encontrada. Os contabilistas e as associações de empresários estão a trabalhar com o Governo no sentido de definir qual a informação que deverá seguir encriptada para o Fisco. Sendo que este, recorde-se, continua a ter acesso a toda a informação, desde que no âmbito de uma inspeção.


Entrega da IES prolongada

O Governo adiou dois dias o prazo de entrega pelas empresas da IES/DA e um mês o envio do ficheiro SAF-T pelos contribuintes de IRS com contabilidade organizada e empresas que encerraram contas até 31 de março. Além do adiamento da IES, de 15 para para 17 de julho, e do ficheiro SAF-T, de 30 de abril para 31 de maio, o despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça, de sexta-feira, introduz ainda uma terceira alteração, permitindo a entrega pelo modelo antigo para as empresas que cessam a atividade este ano e às quais a lei obriga já ao envio do ficheiro SAF-T. "Os sujeitos passivos abrangidos pelo número 2 do artigo 15 da portaria 31/2019 [que aprovou os termos do envio da IES/DA], deverão, nos prazos nele indicados, submeter a IES de acordo com o modelo em vigor para as declarações relativas ao exercício de 2018", determina o despacho. É ainda alargado o prazo da obrigação de submissão do ficheiro SAF-T da contabilidade "até 31 de maio de 2020, sem quaisquer penalidades", prazo que terminava em 30 de abril.




Área Reservada
Como constituir uma empresa de Rent-a-Car
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com