ARAC
22 Agosto 2019 | 11:35
Notícias
2019-08-21Nova greve a menos de um mês das legislativas. SNMMP entrega pré-aviso esta quarta-feira
O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, irá falar aos jornalistas às 13 horas de hoje para apresentar o pré-aviso de greve+
2019-08-21Tripulantes da Ryanair em greve a partir de hoje e até domingo
Os tripulantes da Ryanair começam hoje uma greve de cinco dias, até domingo, convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e que conta com serviços mínimos decretados pelo Governo.+
2019-08-21AEROPORTO DE LISBOA TERÁ NOVA ÁREA DE CHEGADAS E MAIS POSTOS DE CONTROLO EM OUTUBRO
O tempo médio de espera dos passageiros no controlo de fronteiras do aeroporto Humberto Delegado foi inferior a 10 minutos, em julho, estando prevista para outubro uma nova área de chegadas com mais postos do SEF.+

Notícias



Renault quer mais poder na administração da Nissan. Parceria treme
JORNAL DE NEGÓCIOS


A parceria de duas décadas entre a Renault e a Nissan atravessa um momento de crise. A fabricante japonesa quer implementar um novo modelo de governo da empresa e a Renault pretende aproveitar as alterações para ganhar poder na administração da Nissan. É uma postura "lamentável", reagiu já a empresa japonesa.

A informação é avançada, esta segunda-feira, 10 de junho, pela Reuters, que indica que a exigência da fabricante francesa foi feita através de uma carta, assinada pelo chairman Jean-Dominique Senard (na foto), enviada à Nissan.
O novo modelo de governo que a Nissan pretende implementar implica a criação de três comités e, para que seja aprovado, terá de contar com os votos favoráveis de dois terços dos acionistas da empresa. A Renault controla 43,4% da Nissan e, de acordo com a agência noticiosa, terá ameaçado abster-se na votação - o que implicaria o chumbo do novo modelo - se não ficar assegurado que terá uma representação mínima de um a dois membros em cada um dos novos comités. Isto depois de, anteriormente, Senard já ter manifestado apoio a este novo modelo.

Esta não será a posição final da Renault e, de acordo com uma fonte ligada ao processo, ainda poderá ser alterada. Mas, tal como o novo modelo é apresentado, a fabricante francesa diz não se sentir segura de que terá "representação apropriada" na administração da Nissan.

Seja como for, a exigência não está a ser bem recebida. "A Nissan recebeu uma carta da Renault a indicar a intenção de se abster na votação. A Nissan considera que a nova posição da Renault nesta matéria é lamentável, uma vez que a mesma impede os esforços da empresa para melhorar o seu modelo de governo", criticou a fabricante japonesa, em comunicado.

Ao mesmo tempo, argumenta a Nissan, estará em causa um conflito de interesses. Isto porque a Renault terá intenção de sentar o seu presidente executivo Thierry Bollore, nos novos comités da Nissan, para que este tenha uma palavra a dizer nas nomeações de executivos e nos salários. "É um comportamento chocante de um acionista que há meses afirma que nos apoia no fortalecimento do nosso governo corporativo", afirma fonte da Nissan.

A crispação entre as duas empresas surge numa altura em que a Renault e a Fiat Chrysler procuram ressuscitar o plano de fusão que acabou por cair recentemente. Para isso, precisam da aprovação da Nissan, que, por seu lado, pretende que a participação de 43,4% da Renault seja significativamente reduzida, de acordo com a Reuters.


Área Reservada
Como constituir uma empresa de Rent-a-Car
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com