ARAC
17 Dezembro 2018 | 08:52
Notícias
2018-12-14INE: Proveitos aceleraram em Outubro
Em Outubro, os estabelecimentos hoteleiros e similares registaram proveitos totais na ordem dos 332,1 milhões de euros, enquanto os de aposento atingiram os 239,8 milhões de euros, o que representou crescimentos de 2,6% e 1,7%, respectivamente, quando em Setembro estes dois indicadores apresentavam subidas de 1,4% e 2,9%, divulgou o INE esta sexta-feira.+
2018-12-14Depois de Lisboa, Chauffeur Privé chega a outras cidades
O serviço da Chauffeur Privé está agora disponível em Vila Franca de Xira, Mafra ou Ericeira. Mas também no Barreiro, Alcochete, Montijo, Sesimbra e Setúbal.+
2018-12-14Autoeuropa. Plano em marcha para exportar 22 mil viaturas até fim do ano
A Autoeuropa e a Operestiva preparam ação depois de ter sido alcançado acordo entre Sindicato dos Estivadores e operadores portuários+

Press - Releases

Press - Releases
27-06-2016
O IMPACTO DO “BREXIT” NO TURISMO PORTUGUÊS

Os resultados do referendo que se realizou no Reino Unido no passado dia 23 de junho conduziram a uma situação inédita: pela primeira vez, um Estado Membro manifestou a sua vontade de afastar-se do projeto europeu. Desde a sua fundação até aos dias de hoje, a União Europeia tem sido uma instituição caracterizada pela adição constante de novos Membros. Como tal, não existe experiência prévia que permita determinar com rigor o impacto para os restantes Estados Membros decorrente da saída da União Europeia de um Estado com o peso do Reino Unido. Não obstante, é possível antecipar alguns cenários aos quais os operadores turísticos em Portugal deverão estar atentos.

O Reino Unido representa um dos mercados emissores de turistas mais relevantes para Portugal. Como é do conhecimento geral, a comunidade britânica tem historicamente uma forte ligação ao país, sobretudo ao Algarve, onde mutos cidadãos provenientes do Reino Unido passam férias periodicamente.

Para o setor do rent-a-car naquela região, os turistas britânicos correspondem a uma fatia importantíssima da clientela, sobretudo nos meses de verão, mas também nas épocas de outono e primavera, propícias para a prática de golfe. Considerando os números até agora conhecidos face ao período homólogo do ano passado, regista-se uma ligeira queda nas reservas em relação a 2015. A incerteza sobre situação política e económica do Reino Unido que se vivia antes do referendo, confirmada agora pelo resultado do escrutínio, pode levar a uma redução no número de alugueres, tendo em conta o peso do turismo britânico.

No curto prazo, é possível antecipar uma diminuição do poder de compra da generalidade dos cidadãos britânicos. Em primeiro lugar, a desvalorização da libra esterlina em relação ao euro, que tornará Portugal mais caro para o turista britânico. Por outro lado, o previsível aumento de impostos no Reino Unido, já anunciado pelo Governo britânico, poderá conduzir a uma diminuição em termos absolutos dos rendimentos dos cidadãos. No entanto, salientamos que o turismo proveniente do Reino Unido em Portugal, sobretudo no Algarve, antecede a adesão de ambos os Estados à então Comunidade Económica Europeia. Nesse sentido, não se prevê que, no médio e longo prazo, o número de turistas britânico sofra uma redução significativa. Seja qual for o impacto do “Brexit” na liberdade de circulação dos cidadãos britânicos na União Europeia, o qual só será realmente conhecido após a conclusão das negociações de saída, será o mesmo tanto em Portugal como nos restantes Estados Membros, onde se incluem os principais concorrentes de Portugal, e a tradição de décadas de turismo no Algarve não será certamente ignorada pelos britânicos.

Lisboa, 27 de Junho de 2016

ARAC

Gabinete de Comunicação

Área Reservada
Como constituir uma empresa
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com